30/12/12

ELECTROECOLOGIA

  A responsabilidade de gerir pesticidas e fertilizantes, não são na "Lezíria" uma palavra vã.
  Simbolicamente por mim identificado como um electrocardiograma, este restolho de arroz, localiza-se numa das zonas húmidas do estuário do Tejo, onde habitualmente milhares de limícolas e várias outras famílias de aves e plantas têm o seu habitat preferido.
  A confirmar que a coexistência é possível, comprova-o cerca de dois milhares de flamingos, a pouco mais de cem metros à minha direita, várias dezenas de cegonhas, guinchos e um sem número de limícolas, todos em harmonia, procurando o alimento e gozando as condições ainda aceitáveis(?) do  ecossistema.
  Momento de rara beleza- inesquecível e reconfortante.
  Saber e respeito, são alguns dos segredos...

4 comentários:

lis disse...

Armindo
A sua preocupação com o meio ambiente é notável e contagia, e em tudo que faz há enorme paixão que bate por aqui e me arrebata também,
Na minha ignorância habitual rs não consegui ler com fidelidade as fotografias_ as Lezerias são terrenos alagados (restolho de arroz(?)penso ser os arrozais _ o título é que ficou meio vago e tenha me encabulado rs(geração de energia)?
Deliciei-me com a visão que descreve entre flamingos, cegonhas,passarinhos e toda a beleza a ti tão familiar nessa reserva maravilhosa que é o Estuário do Tejo.Um prazer e privilegio ver com teus olhos.
Desejo-lhe um lindo 2103_declaro minha admiração e reafirmo o quanto me faz bem ser tua visitante já há algum tempinho e ainda gozar do privilégio da parceria de fotos tão especiais ,da liberdade de traze-las comigo,publicá-las e senti-las minhas,
Saúde e alegria junto a família, meu carinho e abraços

teca disse...

Que esta zona agrícola tão fértil nunca deixe de alimentar e emitir sensações a quem desfruta sabiamente da natureza.

Belos "riscos" contemplados através das suas lentes...

Beijocas de cá.

Ana Lúcia disse...

Minimalista e bela!

Ana Bailune disse...

Suas fotos são incríveis!